We Cage partiu de estudos da obra “Variations V” de John Cage (compositor) e Merce Cunningham (coreógrafo). A obra de 1965 considerada historicamente a primeira que uniu dança e tecnologia onde movimentos dos bailarinos aliados aos aparatos tecnológicos da época resultavam na manipulação de luz e som. A PIP propôs uma atualização dessas relações num contexto em que colocou o corpo na experiência do movimento considerando o risco como estética. Utilizou softwares atuais, sorteios e jogos oportunizando o acaso como ferramenta para a construção, controle e perda de controle da coreografia, sons e imagens. Os aparatos tecnológicos usados foram sensores de peso acoplados ao chão, sensores de flexão e direção atuando através de tecnologia wi-fi, além dos softwares Isadora Core, Max Msp e Ableton Live. A proposta era de se pesquisar um corpo hibrido com atuações dilatadas e expandidas construindo um ambiente vivo. Realizou temporada em Curitiba no teatro Cleon Jacques e participou das semanas de dança “Diálogos” no Centro Cultural São Paulo.

 

photos by Gil Grossi and Elenize Desgeninski